Toda propriedade rural é uma empresa, independente do tamanho. De dois a 5000 hectares, os processos e as preocupações são sempre os mesmos. É preciso controlar finanças, lucro, pessoal, produto e estar sempre pronto para mudanças. A única diferença está na escala. E, assim como em toda empresa, um dos aspectos mais cruciais para o sucesso do empreendedor rural está na forma como ele atua em seu negócio. O produtor, em sua maioria, sabe trabalhar. Mas ele deve saber como fazer de maneira eficiente, sustentável e competitiva, para que consiga se adequar ao cenário volátil em que se encontra o agronegócio. A mentalidade correta prepara o caminho para uma propriedade rural sustentável e lucrativa, com visão de futuro e uma equipe motivada.

Mas o que é a gestão estratégica? É a administração que caminha em função de um objetivo claro, estabelecendo metas definidas com base nos valores centrais do negócio e consolidando todos os processos como um todo. Tecnologia, finanças, gestão de pessoas, planejamento e saber interagir com o mercado, são pontos essenciais na bagagem de uma propriedade (ou grupo) lucrativa.

Para que possa se adequar a esse tipo de mentalidade, o empreendedor deve começar a se questionar sobre os aspectos essenciais de sua empresa:

  • O que vou produzir? E de que forma?
  • Quais tecnologias irei utilizar?
  • Como encontro mão de obra qualificada?
  • Como posso me preparar financeiramente para gerir o potencial de risco da minha produção?
  • Como monitorar  meu desempenho?
  • Como reduzir  meu custo de produção para aumentar a parcela de lucro?
  • Como posso me preparar para o futuro do meu negócio?

Essas são algumas das perguntas que o empresário rural pode começar a fazer, tanto para saber qual o seu nível de preparo para começar a gestão estratégica do seu empreendimento quanto, principalmente, para refletir sobre como ele pode se inserir no cenário atual de forma inteligente e lucrativa. Vamos abordar esses pontos detalhadamente nas próximas publicações.

Outro aspecto fundamental está em saber integrar a experiência e o conhecimento na tomada de decisão, despertando em si a curiosidade e a vontade de profissionalização do conhecimento. É importante criar o hábito de, no fim de cada dia, se questionar sobre o que foi realizado no decorrer do período e sobre as decisões que foram tomadas. É preciso analisar sempre o que é feito, tanto dentro quanto fora da porteira. Além de saber se está trabalhando para se tornar melhor a cada dia.

Somente através da análise e da auto análise, é possível ter em mente quais são os pontos fortes e fracos de uma empresa com o propósito de diminuir as fraquezas e focar no sucesso. A observação depende tanto da organização do gestor, quanto da coordenação que ele estabelece na equipe, para que seja possível medir os resultados e promover projeções por meio de tais medições. Sem elas, se torna impossível gerenciar.

É necessário ter a mente aberta para que se consiga visualizar tanto o macroambiente fora de seu controle (iniciativas governamentais, clima, flutuações de mercado, etc.), que ele tem de se adequar, quanto o seu ambiente imediato, ao qual ele deve estar sempre ligado por meio da comunicação com o consumidor, do acesso às redes sociais, do estudo e da busca das vantagens ou desvantagens das associações e cooperativismos da sua região, do relacionamento com parceiros de compra e venda, etc. E, por último mas não menos importante,  precisa estar ligado ao  ambiente interno, pois é de dentro da sua porteira que sairá o produto que, através das relações com os demais ambientes, garantirá não somente o sustento, mas também a lucratividade da sua empresa rural.

 

Por fim, exercer a gestão estratégica é um exercício de adequação mental que requer esforço, estudo (principalmente de si mesmo) e, principalmente, vontade de crescer. A profissionalização crescente do campo é inevitável, então podemos concluir que terão destaque aqueles estiverem pensando sempre à frente, planejando estrategicamente o seu futuro e afetando o daqueles que estiverem ao seu redor.

E você? Já está adequado à mentalidade da gestão estratégica? Compartilhe conosco nos comentários.