Antigamente, quem tinha uma propriedade rural era chamado de fazendeiro. Atualmente, ele é considerado um empreendedor agro. A mudança foi motivada pela nova realidade, por novos desafios, tendências e transformações do ambiente em que o empresário está inserido.

A prática empresarial exige transformação não só na gestão do negócio, mas também na “mentalidade” do gestor e no modelo a seguir. A complexidade, o dinamismo e a volatilidade do mercado, acompanhados do aumento dos riscos financeiros, geraram inevitáveis alterações estratégicas baseadas na percepção das necessidades de conhecimentos específicos, no desenvolvimento de competências para o processo de tomada de decisão e na minimização dos riscos.

No passado, o gestor rural se preocupava apenas com aspectos voltados à produção e à comercialização de seus produtos e serviços. Hoje, além dessas funções, ele também precisa estar atento à gerência estratégica e refletir sobre questões como: se os recursos produtivos são bem utilizados; como está a gestão de pessoas; o nível de satisfação dos colaboradores; como estão sendo aplicados os recursos financeiros; se ocorre gestão de custos de produção adequada; as melhores formas de comercialização da produção, entre outros aspectos.

É necessário que o gestor seja capaz de unir seus conhecimentos e experiências no processo para a tomada de decisão para conseguir ampliar o futuro da sua empresa rural. O modelo de administração do empreendimento agro deve integrar a produção, a comercialização e o sistema de administração de riscos financeiros, focado sempre na melhoria dos resultados.

E aí? Quais decisões você está tomando para se adequar aos novos tempos?

Compartilhe sua experiência conosco nos comentários.

Compartilhe